Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

A vida

é vão o amor, o ódio, ou o desdém

inutil o desejo e o sentimento...

lançar um grande amor aos pés d'alguém

o mesmo é que lançar flores ao vento!

todos somos no mundo «Pedro sem»

uma alegria é feita dum tormento,

um riso é sempre o eco dum lamento,

sabe-se lá um beijo donde vem!

a mais nobre ilusão morre...desfaz-se

uma saudade morta em nós renasce

que o mesmo momento é já perdida...

amar-te a vida inteira eu não podia...

a gente esquece sempre o bem dum dia.

que queres, ó meu amor , se é isto a vida!...

fb

tags:
publicado por maria do chocolate às 09:30
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007

solidão

solidão

é um espaço,

como de um acordar no deserto

e no momento.

sem ninguém para trocar um pensamento

eu vivo na solidão,

mesmo quando estás presente,

tu perto tão ausente.

se perto

eu não te sinto.

ausente.

pois sentindo-te não te pertenço.

solidão

é um tempo,

em que tudo e nada existe.

tudo,

quando estás perto

e não te posso tocar.

nada

se estás longe,

e  só te posso lembrar.

música: feitiço
sinto-me:
tags:
publicado por maria do chocolate às 16:14
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

o maior bem

este querer-te bem sem me quereres,

este sofrer por ti constantemente

andar atrás de ti sem tu me veres

faria piedade a toda a gente

mesmo a beijar-me a tua boca mente

quantos sangrentos beijos de mulheres

poisa na minha a tua boca ardente,

e quanto engano nos seus vãos dizeres ...!

mas que me importa a mim que me não queiras

se esta pena, esta dor, estas canseiras,

este mísero pungir, árduo e profundo!

do teu frio desamor, dos teus desdéns

é a vida, o mais alto dos meus bens?

é tudo quanto eu tenho neste mundo?

f.p.

música: sei-te de cdor
tags:
publicado por maria do chocolate às 08:38
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2007

....

li um dia, não sei onde,

que em todos os namorados

uns amam muito, e os outros

contentam-se em ser amados

fico a cismar pensativa

neste mistério encantado...

digo para mim: de nós dois

quem ama e quem é amado

música: sei-te de cor
tags:
publicado por maria do chocolate às 16:27
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2007

frieza

Os teus olhos são frios como as espadas

E claros como os trágicos punhais

Têm brilhos cortantes de metais

E fulgores de lâminas geladas

Vejo neles imagens retratadas

De abandonos cruéis e desleais

Fantasticos desejos irreais

E todo o oiro e o sol das madrugadas

Mas não te invejo, amor, essa indiferença

Que viver neste mundo  sem amar

É o pior que ser cego de nascença!

Tu invejas a dor que vive em mim!

E quantas vezes dirás a soluçar:

Ah quem me dera ,amar assim.

sinto-me:
música: sei-te de cor
publicado por maria do chocolate às 15:26
link | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006

Um Bom Natal

Boas amigas da tristeza, que nos une.

Um verdadeiro amigo é aquele que entra quando todos os demais se vão embora.

Que o melhor enfeite de Natal seja um grande sorriso vosso.

Um beijinho para todas as que têm paciência para me ler, um bem haja a todas.

tags:
publicado por maria do chocolate às 17:26
link | comentar | ver comentários (9) | favorito
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2006

As palavras sempre ficam

Se me disseres que me amas, acreditarei.

Mas se escreveres que me amas, acreditarei mais.

Se me falares da tua saudade, entenderei, mas se escreveres sobre ela, eu a sentirei junto contigo.

Se a tristeza vier a te consumir e me contares , eu saberei, mas se a descreveres no papel, o seu peso será menor

...e assim são as palavras escritas: possuem um magnetismo especial, libertam, acalentam , invocam emoções.

Elas possuem a capacidade de em poucos minutos cruzar mares , saltar montanhas, atravessar desertos intocáveis.

Muitas vezes, infelizmente, perde-se o Autor, mas a mensagem sobrevive ao tempo, atravessando séculos e gerações.

Elas marcam um momento que será eternamente revivido por todos aqueles que a lerem .

Viva o amor com palavras faladas e escritas, mate saudades, peça perdão, aproxime-se, recupere o tempo perdido

Insinue-se, alegre alguém ofereça um simples "bom dia", faça um carinho especial.

Use a palavra a todo o instante, de todas as maneiras. Sua força é imensurável.

Lembre-se sempre do poder das palavras.

Quem escreve constrói um castelo, e quem lê passa a habitá-lo.

Este poema tão bonito, não sei de quem é, mas a mensagem que transmite é tão bela que não resisti a partilha-la aqui no meu espaço de desabafos.

sinto-me:
tags:
publicado por maria do chocolate às 12:06
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006

Desejos vãos

Eu queria ser o Mar de altivo porte

Que ri e canta, a vastidão imensa!

Eu queria ser Pedra que não pensa,

A Pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a cruz intensa,

O bem do que é humilde e não tem sorte!

Eu queria ser a árvore tosca e densa

Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...

As Arvores também,.Como quem reza,

Abrem, aos Céus, os braços , como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,

tem lágrimas de sangue na agonia!

E as Pedras ... essas...pisa-as toda a gente.

F.E .

música: sei-te de cor
tags:
publicado por maria do chocolate às 15:05
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 5 de Dezembro de 2006

Neurastenia

Sinto hoje a alma cheia de  tristeza!

Um sino dobra em mim Avé-Marias!

Lá fora a chuva, brancas mãos esguias,

Faz na vidraça rendas de Veneza...

O Vento desgrenhado chora e reza

Por almas dos que estão nas agonias!

E flocos de neve, aves brancas, frias,

Batem as asas pela Natureza...

Chuva...tenho tristeza! Mas porquê?!

Vento...tenho saudades! Mas de quê?!

Ó NEVE QUE DESTINO TRISTE O NOSSO!

Ó Chuva! Ó Vento! Ó Neve!

Que tortura!

Gritem ao mundo inteiro esta amargura.

Digam isto que sinto que eu não posso.

F.E.

música: Feitiço
sinto-me:
tags:
publicado por maria do chocolate às 09:06
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006

A minha Dor

A minha Dor é um convento ideal...

Cheio de claustros , sombras, arcarias,

Aonde a pedra em convulsões sombrias

Tem linhas de um requinte escultural

Os sinos têm dobres de agonias

Ao gemer, comovidos, o seu mal...

E todos têm sons de funeral.

Ao bater horas, no correr dos dias...

A minha Dor é um convento, Há lírios

Dum roxo macerado de martírios,

Tão belos como nunca os viu alguém!

Neste triste convento aonde eu moro,

Noites e dias rezo e grito e choro.

E ninguém ouve...ninguém vê ..ninguém.

Florbela Espanca

sinto-me:
música: Fico assim sem voçê
tags:
publicado por maria do chocolate às 16:00
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
27
28


.posts recentes

. A vida

. solidão

. o maior bem

. ....

. frieza

. Um Bom Natal

. As palavras sempre ficam

. Desejos vãos

. Neurastenia

. A minha Dor

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. desespero

blogs SAPO

.subscrever feeds